terça-feira, 3 de agosto de 2010

Bela homenagem

Jô Soares prestou bela homenagem, ontem, em seu programa, ao falecido cenógrafo Ciro del Nero, declamando um poema da americana Mary Elizabeth Fry, a quem não conhecia:
Não chore à beira do meu túmulo. Eu não estou lá.
Eu estou nos ventos que sopram.
Nos diamantes que cintilam na neve e na luz do sol nos grãos dourados
Eu estou nas chuvas de outono.
No vôo suave das aves e nas estrelas que iluminam a noite
Não chore à beira do meu túmulo
Eu não estou lá

3 comentários:

glyout disse...

Também vi o programa do Jô.
O poema é pura emoção que nos põe em sintonia com o o Divino.

CAMILLA disse...

O poema é maravilhoso.
O Jô declama com muita emoção...
E acredito que devemos fazer uns pelos outros em vida ,afnal que valor têm as lagrimas na beira do tumulo.

Edyr Augusto Proença disse...

Obrigado pela visita! Voltem sempre.
Edyr