segunda-feira, 10 de agosto de 2009

O primeiro abraço

Foi muito bom o primeiro final de semana de apresentações da peça "Abraço", lá no Cuíra. E muito interessante, também. Problemas na estréia. Os programas atrasaram. Caso de morte na família de um grande amigo, dono da gráfica. Afinal, entregaram. Não. Trocaram os pacotes. Até que chegaram. Pouco antes de começar, uma chuva torrencial. E o telhado do Cuíra é de zinco, tipo "chapa quente"... Carlos Barreto me chama "Edyr, eu sou o Barreto". Eu querendo conversar tanta coisa, e naquela pressa de início de espetáculo, subir uma escada difícil para a minha idade, e dar início a algo tão importante para mim, para o Cuíra e todos os envolvidos, após meses de muito trabalho. Metade da platéia formada por paroquianos do Padre Cláudio, lá da Marambaia. O que acharam? Conseguiram separar o padre do ator? Ficaram chocados? Pessoas diferentes estão assistindo, alguns pela primeira vez por lá. O professor Meirevaldo Paiva e meu amigo Rui, seu filho. Professor Ubiratan do Rosário, que também foi meu professor na faculdade. Uma peça de teatro, quanto mais vezes é feita, melhor. E nós avançamos muito. Identificamos as reações da platéia, alguns risos nervosos. Estamos felizes, fazendo o que gostamos, com quem gostamos e como gostamos. Uma equipe pequena, mas multitarefas. E é o nosso teatro, agora com pano de boca, gentileza do amigo Gerson Araújo, do Centur, que também deu outra ajuda maravilhosa. Imagino que não houve maldade no comentário do Comendador Mário Sobral, ao dizer que Cláudio Barradas merecia um retorno a um palco mais importante, como o Teatro da Paz, e não o cuírazinho, ali na zona do meretrício. O que ele não sabe, tenho certeza, é da real situação do teatro paraense e o que faz Barradas ir para o Cuíra com o maior amor e disposição, após passar o dia inteiro rezando missa. Sei o que quis dizer, Sobral, mas o Cuíra é o nosso templo, nosso lugar sagrado, tanto quanto um Teatro da Paz, onde estaremos, em outubro, com PRC5 a voz que fala e canta para a planície, por conta da "sensacional política cultural para o teatro", que não nos irá cobrar a taxa de ocupação do local.
Barreto, espero estar com você em outra situação, para que possamos conversar. Todos os outros flanares, também. Que tal marcar um fim de tarde, começo de noite, em uma cantina, por exemplo. Vai quem quer, cada um paga o seu, todos se divertem. Que tal? Vocês são amigos virtuais muito queridos, pois estou em contato todos os dias. O primeiro abraço, foi bom.

4 comentários:

Belenâmbulo disse...

Prezado Edyr,

Também estive lá e achei ótimo, apesar do calor.
Parabéns!

Abraço

Carlos Barretto disse...

Vamos sim, Edyr.
Será um grande prazer. É só combinarmos. Sugiro a Taberna, é claro!
Abs

Blog do Felipe disse...

Impressionado com a atuação maravilhosa de Cláudio Barradas. Sem dúvidas um dos maiores atores que já vi em cena. Z está imponente também. 2 dos maiores que já vi atuando.
Parabéns!

ABRAÇO

Felipe

POLAROADS disse...

Obrigado, amigos!
Abs