segunda-feira, 22 de março de 2010

Shananá para o Brasil

Também não sou chegado a Faustão. Detesto sua maneira de apresentar, a estética, enfim, não vem ao caso. Mas é que, por coincidência, assisti, também, às duas apresentações do Mike do Mosqueiro, um rapaz levado até lá por conta de alguns milhões de pageviews no You Tube, por conta dessas atrações bizarras que grassam na rede. A equipe da Tv Liberal levou esculhambação do apresentador por conta da ausência de qualquer documentário a respeito de Mike. Esfomeado, olhar esgazeado, pele curtida, olhos machucados, humilhados, dois dentes na boca, ele pegou o violão e danou-se a gritar Shananá, por conta de um brega local e arriscou uma versão tipo edmotês de Love Hurts. Passou. Ontem, domingo, mais uma vez zapeando, ele surge, de volta, agora com o devido documentário à bordo, para faturar 20 mil reais, dados, é bom dizer, por, talvez, absoluto remorso por mostrar algo tão bizarro, explorar a miséria alheia, no melhor estilo Luciano Hulk e Regina Casé. Em seguida, vem Viviane Batidão, paraense, dona da tal Shananá, que defendeu com muita propriedade, dando a perceber ali, naquela estética, ser tão boa e competitiva quanto qualquer Cláudia Leite ou Ivete Sangalo. Mais incrível, a chama, o talento do artista inato, Mike do Mosqueiro, fazendo contracantos, scats, violão em punho, feliz da vida. Onde irá parar a quantia que recebeu, não se sabe. No documentário, Mike aparece esquentando um miojo em um forno de chão. Fiquei entre o envergonhado e constrangido, que é como me sinto quanto assisto a shows desse tipo, na televisão, e também empolgado em perceber a imensa possibilidade de Viviane, no mundo pop de hoje.

2 comentários:

Yúdice Andrade disse...

Vi o segundo dia, meu amigo. O Miojo não foi preparado num forno de chão, e sim em cima de dois tijolos. Um horror. Eu só consegui ficar mal com isso. Mas consegui escrever algumas linhas sobre o assunto. Dá uma passada lá no blog. Abraço.

POLAROADS disse...

Yúdice, é claro que li o que vc escreveu. Obrigado pela visita.
Abs